Weather Data Source: Tempo para os próximos 25 dias

Servidores federais anunciam greve nacional após governo Lula oferecer 0% de reajuste

Compartilhe:

Brasil – Após oito meses de negociações com o governo Lula sem alcançar um acordo sobre as reivindicações de reajuste salarial e reestruturação de carreira, o Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) anunciou a deflagração de uma greve nacional por tempo indeterminado a partir da quarta-feira (3).

A data será marcada por atos e mobilizações em todo o país. Segundo informações do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), “na última reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), representado pelo secretário José Lopez Feijóo, reafirmou a proposta do governo de reajuste 0% para 2024”.

“Em contrapartida, a bancada sindical expôs indignação frente à letargia do governo. As entidades sindicais enfatizaram também que a proposta de congelamento salarial em 2024 é inaceitável e um desrespeito com as categorias”, diz outro trecho do comunicado do Andes-SN.

Diante das negativas do governo, os sindicalistas decidiram incorporar o dia 3 de abril ao calendário de atos e paralisações já programados para o mês. “O calendário de lutas é fundamental nesse momento em que a União bateu recorde de arrecadação, maior desempenho desde 1995”, disse em nota ao Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe). Para o dia 15 de abril já está programado o início da greve nacional em universidades federais, institutos e centros federais (Cefets).

A decisão foi divulgada no dia 22 de março pelo setor das Instituições Federais de Ensino (Ife) do Andes-SN. Os sindicalistas responsabilizam o governo Lula pela precarização das condições de trabalho dos docentes. No dia 16 de abril será realizada uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre as reivindicações dos servidores.

A audiência foi requerida pela deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP). No dia seguinte, os sindicalistas se reunirão em Brasília (DF) para uma marcha por recomposição salarial. No dia 18 de abril, cada.

Fonte: CM7