Criminosos que filmaram jovens sendo degoladas, são condenados em Manaus. IMAGENS FORTES

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Trio foi sentenciado pela morte de duas mulheres e um homem no bairro Armando Mendes, zona Leste de Manaus. O crime ocorreu dia 18 de outubro de 2018.

As vítimas, identificadas como Emily de Souza Lima e Lorena Amaral de Souza, ambas de 18 anos foram torturadas e mortas a facadas.

Elas tiveram os corpos enterrados em uma cova.  As duas jovens foram degoladas por conta da grande quantidade de perfurações na região do pescoço. 

Joedson Maia Nobrega, de 21 anos, também foi morto porque estava na companhia das jovens no momento em que elas foram sequestradas. Ele tinha um relacionamento amoroso com Lorena.

Durante o crime, toda ação foi gravada em vídeo por um adolescente de 15 anos, que participou do crime e foi apreendido pela polícia depois de compartilhar as imagens nas redes sociais.

A polícia chegou até os criminosos por meio dos vídeos compartilhados nas redes sociais, quando prenderam os dois que apareciam no vídeo assassinando as jovens a sangue frio.

Paulo Henrique Porfiro de Souza, Pablo Lima de Freitas e Hudson Araújo de Souza, foram presos dias após o crime.

Em depoimento, Hudson conta que foi responsável por torturar as vítimas, pois tinha sido ameaçado de morte se não fizesse, informou o delegado. 

Os condenados faziam parte da extinta facção Família do Norte, atual Cartel do Norte (CDN).

O julgamento

Pablo Lima Freitas foi condenado a 66 anos de reclusão; Hudson Araújo de Souza, a 69 anos de prisão. Paulo Henrique Porfiro de Souza também recebeu condenação por parte do Conselho de Sentença, ficando sua pena fixada em 67 anos de reclusão. Todos em regime fechado e que somadas, as penas aplicadas aos três réus chegam a 202 anos de prisão.

Único dos três réus que respondia ao processo em liberdade, Paulo Henrique compareceu ao julgamento e teve a prisão preventiva decretada durante a leitura da sentença. Hudson e Pablo estão presos desde a época do crime e foram conduzidos ao Fórum Ministro Henoch Reis para participar do julgamento.

Entenda o caso

De acordo com o inquérito da Polícia Civil do Estado do Amazonas, que originou a denúncia do Ministério Público, os três crimes aconteceram no dia 19 de outubro de 2018, no bairro Armando Mendes, zona leste de Manaus.

Na ocasião, Hudson e mais três infratores e um adolescente de 15 anos, apreendido no mesmo dia, torturaram e mataram as vítimas e registraram em vídeo. Ainda conforme a denúncia, eles amarram as vítimas, as agrediram fisicamente, golpearam com faca e até chegaram a degolar uma delas. A tortura foi compartilhada nas redes sociais e, segundo a polícia, as vítimas foram mortas porque estariam passando informações sobre o bando a integrantes de facções rivais.

Segundo as investigações preliminares da DEHS, cinco homens mataram as duas jovens motivados por uma briga entre facções rivais do tráfico de drogas. Já Joedson Maia Nobrega foi morto porque estava na companhia delas no momento em que elas foram sequestradas. Ele tinha um relacionamento com Lorena.

O grupo criminoso filmou as execuções e divulgou em uma rede social na internet. A partir das imagens, a DEHS conseguiu identificar Pablo e chegar à família dele. Pablo foi preso na casa da avó, no ramal São Francisco, no Km 43 da AM-010, já na tarde do último sábado (20/10). À noite, durante operação comandada pelo secretário de Segurança Pública, coronel Amadeu Soares, foi preso Paulo Henrique e o adolescente de 15 anos foi apreendido.

Das sentenças ainda cambem apelações.

Fonte/Vídeo: Portal Tucumã