Manifestantes pedem justiça e prisão dos assassinos do jovem Melquisedeque em Manaus

Compartilhe:

Manaus/AM – Familiares e amigos de Melquesedeque dos Santos, 20, se reúnem em protesto na frente da igreja onde o corpo está sendo velado na rua Glauber Rocha, no bairro Compensa, na Zona Oeste.

Os manifestantes pedem justiça pela morte do jovem e a punição dos criminosos. Melquisedeque era membro da Igreja Adventista e pertencia a etnia Sateré Mawé.

Esta manhã (17), a associação de artesanato da tribo, Asmin Sateré Mawe, divulgou uma nota lamentando a morte do jovem que também era artesão e endossando o pedido de justiça.

O Melqui era filho da dona Zorma Sateré Mawé, Tuxaua da aldeia Waranã artesã e associada na AMISM. Trabalhou na confecção de máscaras durante toda a pandemia e estava fazendo artesanato antes de começar o emprego da Bemol.

Tudo o que ele queria era começar a trabalhar, a poucas semanas tinha iniciado como jovem aprendiz ficou muito feliz ao ganhar o crachá, iria começar o curso no SENAC na segunda feira.

Mas foi assasinado durante um assalto de ônibus em Manaus, enquanto voltava do trabalho, sem reagir foi morto por pura maldade, havia acabado de ganhar o kit de Natal que tava trazendo feliz pra sua mãe”, diz a nota.