Professor morto em motel em Manaus foi assassinado por R$ 250 e um celular

Compartilhe:

Manaus/AM – A Polícia Civil prendeu Maurício da Silva Cruz, 18 anos, na noite dessa quinta-feira (28) suspeito de assassinar o professor Mário Nunes de Moraes e concluiu que o crime foi de fato um latrocínio. O professor morreu por causa de R$ 250.

A vítima foi morta com um golpe na cabeça dentro do quarto do Motel Paris, no bairro Coroado, na zona Leste, onde chegou acompanhada de dois homens no último dia 21 de julho. Um deles é um adolescente que já foi apreendido.

Maurício estava no local do crime – Foto: Jander Robson / Portal do Holanda

Segundo a delegada Débora Marreiros, Mário e os assassinos se conheceram na noite anterior ao crime enquanto bebiam em um bar no bairro.

Na ocasião, Mário os convidou para ir ao motel e lá continuaram bebendo. Minutos depois, o professor chegou a sair do estabelecimento para sacar dinheiro no caixa 24h de posto de combustíveis e estava acompanhado do menor.

Foi ali que o adolescente teve a ideia de roubar a vítima, mas preferiu retornar ao motel e compartilhar o plano com o Maurício que havia ficado lá.

Foto: Jander Robson / Portal do Holanda

“A partir do momento em que ele sai com o professor para sacar dinheiro, ele fica de olho na quantia e enquanto o professor está tomando banho, os dois resolvem então que vão tomar esse dinheiro. Eles combinam que quando a vítima voltar do banheiro, eles dariam um golpe mata-leão”, destaca a delegada.

O plano foi colocado em prática imediatamente, e Mário desmaiou após ser atacado. O que Maurício e o adolescente não contavam é que a vítima fosse acordar enquanto eles ainda estavam recolhendo o dinheiro, R$ 250, e os pertences dela. “Deram esse mata-leão, desacordaram a vítima, mas quando estavam levando os pertences, a vítima acorda e entra em luta corporal, o que resulta na morte do professor”, explica a delegada.

Após o crime, a dupla ainda tentou deixar o motel pela porta da frente, mas pela política de segurança do estabelecimento, eles precisavam consultar a pessoa que ficou no quarto, uma vez que o correto seria todos saírem juntos.

Como foram barrados pelos funcionários, eles pularam o muro e fugiram, mas foram flagrados por câmeras de segurança.

Ainda assim, eles levaram os dinheiro, o celular e cartões do banco de Mário, mas os investigadores ainda apuram se os criminosos conseguiram sacar algo. Com as prisões, a polícia encerra o caso e os presos responderão por latrocínio.

Vale destacar, que Maurício já tinha passagens pela polícia por crime cometidos quando ainda era menor de idade.